8.30.2006

Ser Comunidade em Xangai

Marzia Sgro Copyright
Foto tirada no edifício em que a Marzia está a assistir a uma obra.
Prova viva do que é ser comunidade em Xangai
O espaço é teu, mas também é meu, e se é meu, a minha privacidade está incluída, e uso-a sem fronteira alguma que me iniba a intimidade. O meu corpo é uma extensão do teu, na medida em que acreditamos ser carne, do pó ao pó.
Está calor, a tua rua é o anexo normal da minha casa.Por isso, depois do almoço, lá para as 11 e meia,estendo a toalha nos cabos telefónicos, do outro lado do viaduto,e sento-me no degrau da entrada para cortarmos as tuas pontas de bambu, enquanto alinhavamos o trivial.
Passo a tarde contigo, na loja dela, a coser apliques nas blusas, mas ao menos estamos à fresca, que debaixo de terra há ar condicionado e muitas clientes com pressa.
Às 6 horas tiro a mesa de jantar e coloco-a,tal como todos os meus vizinhos, no longo corredor do nosso piso, janto com todos à distância que estou do meu filho. Sei do que se passa contigo, nao só porque mo mostras todos os dias, mas porque o jornal da nossa comunidade está na parede, e com ele os detalhes das mudanças sociais.
Antes do fim do dia jogo Magjong, caso as famílias certas, e derrubo o teu muro, para te ganhar.
Depois deito-me e ouço-te a dormir, porque está calor e, mesmo com a porta da frente fechada, ponho o meu pé de fora da janela para ajudar, e com isto dividimos Xangai.

8.21.2006

Para

Para os que me dizem que este espaço anda muito sério
Para a Tia Filó
Para a Paula
Para quem desconfia da nossa boa vida
Para os que, especialmente depois do último post, pensam que andamos a comer mal. ( Obrigada Duarte pelo Cozido à Portuguesa em plena China. Obrigada a quem patrocinou os enchidos. Amigos do Dudu voltem sempre.)
Para essa santa que é a nossa Ayi

8.15.2006

Ha dias

Ha dias em Xangai, em que acordo com o sufoco de a minha vida estar por fora. Imagino-me enterrada na aventura.
Hoje, descobri que afinal a minha vida está muito mais rica do que imaginava. Que há muito mais que o superficial a passar por aqui, e que não tenho 25 com alma de trinta.
Feliz por isso.

8.10.2006

Tinha que dividir convosco...

O chines que trabalha comigo, acabou de me dizer que, a melhor especialidade gastronomica que experimentou foram miolos de macaco vivo.
A coisa e feita com um homem a segurar um macaco dentro de uma caixa, a cabeca dele serrada, tudo no meio de uma mesa redonda.
So para acabar,outra grande especialidade local sao os ovos meios chocos.
Perto disso, os ovos podres que vendem quentinhos nas tabacarias de rua, sao trocos!

8.09.2006

E a minha preferida

(so serei mesmo arquitecta quando tiver coragem para projectar algo assim, ate la...)

8.08.2006

Sem palavras

Fomos as Montanhas Amarelas (Huangshan) este fim de semana, e estou mesmo sem palavras.
O melhor e irem aqui ao blog do Joao, que se esta a tornar num grande fotografo, e terem uma ideia mais exacta desta maravilha.

No percurso Shanghai-Huangshan, fomos em "Hard Bed" e dividimos este espaco com dezenas de chineses

Por todo o lado da enorme area da Huangshan, mais um sinal de supersticao,milhoes de cadeados presos as correntes de proteccao

As 4 da manha fomos ver o mais famoso nascer do sol da China. Posso-vos dizer que sim senhor, mas que nos em varios sitios de Portugal ja vi mais bonito.

Pois, fomos ver o nascer do sol, nos e mais centenas de outros chineses. A Huangshan e uma viagem obrigatoria e altamente simbolica para este povo.

Parte do grupinho maravilha na interminavel escalada

Martim, o responsavel pela grande organizacao da viagem, em momento artistico

Para terem uma nocao da dimensao

8.04.2006

Sonhar em Xangai

A " Bicicleta de Pequim" do Wang Xiaoshuai foi dos melhores filmes chineses que vi aqui. Agora, no King, em Lisboa, esta em exibicao o ultimo filme do mesmo realizador que se chama " Sonhar em Xangai", e que ganhou ,em 2005, o Premio do Juri do Festival Internacional de Cinema de Cannes.
Por motivos obvios queria muito ve-lo.Nao posso.Mas voces podem.
Saudades multiplas de Lisboa, e de ir ao King, e de sonhar com destinos distantes pelas maos de um realizador.